terça-feira, junho 14, 2016

10 Anos do blog Poesia Evangélica - E que ganha é você, em nosso sorteio de livros. Participe!


Queridos irmãos, em 2006 iniciamos, de forma humilde, um blog cujo objetivo, naquele momento, tinha certa urgência: disponibilizar um canal (até então inexistente) de resgate, divulgação e promoção da poesia evangélica/cristã, abarcando tanto os autores de ontem quanto os atuais, tanto medalhões quanto jovens ou bissextos iniciantes nos meandros da poesia.
De lá para cá, foram centenas de autores divulgados. E ainda diversos livros e e-books, individuais e coletivos (antologias) que surgiram direta ou indiretamente devido ao trabalho do blog. Mas nossa principal conquista é que construímos uma rede de fraternidade, de amigos poetas e leitores de poesia, que gerou e gera os mais agradáveis frutos de comunhão. E ainda muito está por vir!

Para comemorar os 10 anos de nosso espaço, realizaremos um sorteio de livros. Serão nove livros sorteados, compondo kits de três livros cada; assim, serão três os leitores ganhadores, e cada qual receberá um kit contendo três livros.
Para participar é fácil: deixe um comentário neste post, com seu nome e e-mail para contato. No dia 05 de Julho realizaremos o sorteio. Participe e convide outros irmãos e amigos!

Os kits constarão de:

  • Kit 1: Inventor de Poesia (poesia), de Margarete Solange Moraes; O Pequeno Livro dos Mortos (contos), de Sammis Reachers; e Uma Teoria do Poema (teoria da literatura), de Domingos Carvalho da Silva.
  • Kit 2: 22 Contistas em Campo (antologia de contos), org. de Flávio Moreira da Costa; Contos Reunidos (contos), de Margarete Solange Moraes; O Pequeno Livro dos Mortos (contos), de Sammis Reachers.
  • Kit 3: O Agente Infiltrado e Outros Poemas (poesia), Jorge Wanderley; O Velho e a Menina (novela), de Margarete Solange Mores, e O Pequeno Livro dos Mortos (contos), de Sammis Reachers.

Sobre os livros:

Uma Teoria do Poema (Civilização Brasileira, 200 págs.) - Cultores da poesia ou não, estudantes ou não, todos os leitores qualificados encontrarão aqui, escolhidos com rigoroso critério seletivo e dispostos na melhor forma, os mais preciosos conceitos sobre a arte poética em geral - e o poema, em particular de sorte que terão sempre à mão um precioso manancial de informações sobre a técnica, a estética e, particularmente, o sentido e a forma da arte poética. 
22 Contistas em Campo (Ediouro, 176 págs.) - '22 contistas em campo', mais uma antologia de Flávio Moreira da Costa, reúne os melhores contos brasileiros sobre futebol, incluindo ainda um inglês (Patrick Kennedy) e dois uruguaios (Horacio Quiroga e Mario Benedetti). Rachel de Queiros, Plínio Marcos, Rubem Fonseca, Luís Vilela, Moacyr Scliar e Ignácio de Loyola são alguns dos brasileiros escalados. 
O Agente Infiltrado (Bertrand Brasil, 112 págs.) - Dividido em duas partes, O Agente Infiltrado e outros poemas revela ao leitor a marca registrada do poeta Jorge Wanderley. Em O Agente Infiltrado o artista é alguém que veio cumprir uma missão. Aquele que vê o mundo de uma maneira peculiar, com uma visão criativa e nova. Na segunda parte do livro, Jorge Wanderley reúne uma coletânea de poemas variados, ora líricos, ora irônicos. Com a pluralidade de tons e temas que caracterizam a nossa condição pós-moderna, o autor transcreve para o papel as vicissitudes da alma e a perplexidade do ser diante do acaso. 
O Pequeno Livro dos Mortos (Letras e Versos, 96 págs.) - Neste pequeno volume (19 contos em 96 págs.) a mente de Sammis Reachers dá azo à sua inusual criatividade para expressar-se em contos cujo tema norteador é ela, a indesejada das gentes, a Morte. Transitando por gêneros, tempos e lugares diversos, temos nossa atenção sequestrada para situações, momentos dramáticos (com certa - e boa - dose de estranhamento, que segundo o autor é item capital para qualquer boa arte), em que, em meio à ação dramática, somos inoculados por (in)discretas perturbações filosóficas e teológicas, para nossa alegria mental (sorrisos). Leitura que deixa marcas, e que melhor elogio se faria à uma obra literária? 
O Velho e a Menina (8 Editora, 144 págs.) - O amor pela menina o fez o velho aprender a sonhar novamente. O sonhar impulsiona o homem a sentir-se capaz. A vida precisa dos sonhos para ser melhor vivida. Não importa se esses sonhos são possíveis ou impossíveis: é preciso ousar! O desesperançado é somente um fantasma sem voz, sem alma, sem rumo. É natural do ser humano querer ser admirado por seus feitos, e ser considerado grande mesmo na sua pequenez. E para ser grande é preciso perseguir os ideais até alcançá-los, ou morrer lutando sem desistir jamais da batalha.O amor pela menina o fez o velho aprender a sonhar novamente. O sonhar impulsiona o homem a sentir-se capaz. A vida precisa dos sonhos para ser melhor vivida. Não importa se esses sonhos são possíveis ou impossíveis: é preciso ousar! O desesperançado é somente um fantasma sem voz, sem alma, sem rumo. É natural do ser humano querer ser admirado por seus feitos, e ser considerado grande mesmo na sua pequenez. E para ser grande é preciso perseguir os ideais até alcançá-los, ou morrer lutando sem desistir jamais da batalha. 
Contos Reunidos (Sarau das Letras, 314 págs.) - “Contos Reunidos” traz uma seleção de histórias já publicadas em obras anteriores, além de outras inéditas. Os contos, em sua diversidade temática, formam um mosaico da vida, repletos de múltiplos olhares, textos e intertextos, discursos e contradiscursos. Cada narrativa está repleta de casos que vão do trágico ao cômico num piscar de olhos. Margarete Solange é uma mulher de posicionamento crítico, por isso, em determinados momentos, será possível que o riso dê lugar ao pranto, ou, quem sabe, à indignação. A autora produz textos com conhecimento de causa, sabe elaborá-los com maestria, pelo que surpreende, demonstrando uma maturidade peculiar ao abordar temas diversos com criatividade, sensibilidade, drama e humor, o que torna a leitura de seus contos aprazível, até mesmo para aqueles ainda pouco afeitos à leitura. 
Inventor de Poesia (8 Editora, 238 págs.) - Reúne poemas com multiplicidade de temas, para leitores de preferências diversas em qualquer idade. A autora, que não se declara poeta, mas se diz escritora de versos, é dona de um estilo bem próprio: criativo, divertido e inteligente; fortemente caracterizado pela intertextualidade e metalinguagem. Surpreende com o talento que tem vindo da alma para criar e com a arte que possui para lapidar, aparar e montar seus versos. Num mergulho à literatura universal, a autora conversa com o escritor Allan Poe nos poemas “Pra Sempre” e “Nunca Mais”, e com Elizabeth Bishop, respondendo ao seu poema “One Art”, com o poema “A Arte de Perder”. Leva o leitor a visualizar cenas que ela pinta com palavras, conseguindo deslocar o leitor para dentro de sua obra. Enfim, são poesias para todos os momentos, que provocam no leitor as mais variadas reações, desde simples descontração a profundas emoções e deleite espiritual.

domingo, junho 05, 2016

Três poemas de Ana D'Araújo


Prece
Hoje pedi ao Pai por ti.
Pedi que te desse a calma de um riacho que corre
Rumo ao destino de desaguar
E que lavasse a tua alma com unguentos perfumados.
Pedi que o sol que brilha para mim,
Ilumine amanhã novamente o teu caminhar
E que a Lua que dorme para ti, brilhe aqui,
Como esperança do amor não vivido, mas desejado.
Pedi que o frio não gele a tua alma,
E não te leve os sonhos de um futuro de paz,
Onde deitarás em colo seguro
A embalar os teus sonhos em versos.
Pedi que os teus pés cansados,
Judiados pelas marcas da lida diária
Se tornem leves e andem ágeis
Ao encontro do descanso merecido.
Pedi também que o silêncio não te emudeça o coração,
Mas que acolha a emoção e a armazene
Pois um dia ouvirás os sinos
E lembrarás que toda a esperança perdida
foi só um vento que passou.
Hoje eu pedi ao Pai que a semente em ti plantada,
Não feneça com a madrugada
Mas que a esperança seja o adubo
A florescer em ti o amor viçoso e deslumbrante,
Que te levará seguro ao encontro do infinito
Hoje…pedi ao Pai por ti!

A Gentileza
Enche os olhos ver a gentileza assim
É de carne e osso e tem cor
Se eu te contar que a gentileza riu pra mim
Carimbou o seu carinho e foi
Foi pra lá do distrito do amor
Braço dado com a paixão e a flor
A razão logo se esconde e some
Ela já não pode mais sozinha
Se essa tal da gentileza a cultivou
Quero ouvir da gentileza uma canção
Que seu sopro ameno acalme a nação
Que ela junte as mãos - guie nossos pés
Seja respeitada qual bandeira
Que ela adube o solo com amor
Que ao invés da erva seca só produza flor
Que ela ensine a humanidade a cantar
Com voz de criança pra poder vibrar
Que ela afogue a mágoa e salve o perdão
E que a gentileza seja uma oração
Na voz tão  sofrida desse povo
Que só precisa andar com a gentileza.

Sonho de Poeta
Mesmo que a fonte seque
e a inspiração se esconda
ou vá passear na esquina...
Quero o som da musica na alma
e a canção no coração.
Mesmo que o poema seja curto e seco
e o verso aluda a dor... A aridez...
Quero ter no peito a rima
que remete para cima
e retorna em energia de inspiração.
Quero olhar o horizonte
e enxergar de novo a fonte
que me fez deitar primeiro
em rede de paixão...
Derramar alivio nos escritos tantos
que fazem do poeta ilusionista,
em mágicas de um mundo encantador!
Quero ao ver o declinar do sol da vida,
o despejar de versos em expressões tão surreais...
Que seja para muito colo certo, desabafo, sintonia,
expressão, canção e mutação.

domingo, maio 29, 2016

Um poema de Ana Dolzane


NO TEU JARDIM SECRETO


ENCONTREI O LUGAR ONDE POSSO TE ENCONTRAR!

ALI, NO TEU JARDIM SECRETO.

OUÇO PASSOS! O AMADO DA MINHA ALMA SE APROXIMA, POSSO SENTIR SEU PERFUME SUAVE COMO UMA BRISA REFRESCANTE.

MEU CORAÇÃO PULSA FORTE!

TODO O MEU SER ESTREMECE DIANTE DA TUA DOCE PRESENÇA...ENTÃO OUÇO UMA VOZ SUAVE SUSSURRANDO O MEU NOME:

ONDE ESTAIS AMADA MINHA? ENTÃO EU RESPONDO: EIS-ME AQUI MEU SENHOR!

PERMITA-ME CONTEMPLAR A TUA PRESENÇA!

DE REPENTE TOMA EM TEUS BRAÇOS, ME ENVOLVENDO COM SEU AMOR INFINITO.

JÁ NÃO HÁ MAIS DOR, NEM TRISTEZA, MEDO NENHUM EXISTE, E ENTÃO ME ENSINAS A VERDADE, O CAMINHO QUE DEVO SEGUIR...

ME CONTA SEGREDOS, ME REVELAS O TEU AMOR, OS TEUS CUIDADOS.

DANÇAREI, CANTAREI EM TUA PRESENÇA OH REI!

TOCA-ME COM PODER! MOSTRA-ME A TUA GLÓRIA!

ANSEIO POR MAIS DE TI, MINHA ALMA ANELA PELA TUA PRESENÇA.

A CADA ENCONTRO CONTIGO MEU AMADO, MAIS DESEJO ESTAR EM TUA PRESENÇA;

TODOS OS DIAS, O AMADO DA MINHA ALMA AGUARDA POR MIM EM NOSSO JARDIM SECRETO.

MAS QUERO SURPREENDER O MEU AMADO, ME APRESSAREI EM IR AO SEU ENCONTRO, E 
QUANDO ELE CHEGAR JÁ ESTAREI AGUARDANDO ANSIOSAMENTE PELA SUA PRESENÇA.

NÃO SERÁ NECESSÁRIO CHAMAR PELO MEU NOME, POIS JÁ ESTAREI AGUARDANDO NO LUGAR ONDE PREPARASTES PARA ENCONTRAR-TE COMIGO, TODOS OS DIAS, E CORREREI EM TUA DIREÇÃO, ASSIM COMO UMA CRIANÇA QUE AVISTA O PAI E DIREI:

EIS-ME AQUI! EIS-ME AQUI!
PERMITA-ME CONTEMPLAR A TUA PRESENÇA, DEIXA-ME FICAR AQUI AO TEU LADO, POIS É AQUI O MEU LUGAR, BEM JUNTO A TI.

terça-feira, maio 24, 2016

Três poemas de Judson Malta


Mãe terna: Castelo, ofício e mistério.

Força incontida da natureza
Brilha tua luz na destreza
Das mãos de mil tarefas
Renúncia e beleza

Oficio laborioso esse, de ser mãe terna
Férias, não há
Descanso, não há
Salário, não há
Mas há trabalho... amor, prazer, força.
Deus sustenta você, mãe terna

Mistério profundo
Quando receptáculo da vida
Em teu ventre, mãe terna
Guardas o poder da criação

Ès mãe, senhora da vida
Guardas em ti,
O rebento de toda nação

Querida mãe terna
De lábios e canções de ninar
De beijos e doce falar
Sua cama, seu manto, seu cheiro
São descanso e segurança
São abrigo, consolo e renovo
Colo de mãe é castelo de criança.

Deus acolhe através de você
Deus usa o seu proceder
Deus te abençoa com sabedoria
Deus a faz leoa defensora
Sobrevivente lutadora
Obrigado Senhor, pelo castelo, ofício e mistério.

Obrigado, por nossas mães e por seu amor sobrenatural.


Salmo de Livramento

Como não viria eu à Tua Presença, Rei meu e Deus meu.
Como não derramaria meu coração em teu altar.
Como não cantaria louvores e não sopraria trombetas.
Se Deus é bom, e tem sustentado os meus passos
Se Ele tira do seu baú coisas velhas e novas
Se Ele nos desterritorializa do espaço pecaminoso
e nos chama ao altar de vida sacrificial.

Deus nos chama a vida nova, em novidade de vida.
Agora não vivo eu, mas Cristo vive em mim.
Como não abriria mão de meus ideais?
de minhas escolhas egoístas?
de minhas paixões mesquinhas?
Se maior é o Amor... ora, se maior é o Amor,
mais busco Ele,
mais me entrego por Ele,
mais me renuncio para Ele.

O Senhor renunciou toda a Sua Glória por amor de mim, 
ele se esvaziou de si mesmo para demonstrar o seu Amor. 

Obrigado Senhor pelo que nos une, por tua vida, morte  e ressurreição. 
Obrigado Senhor, por Jesus, a encarnação da Palavra libertadora. 
Que nos ensinou a servir e entregar as nossas vidas em resgate de muitos.

Obrigado Senhor que tens feito nossos pés passarem por um vale enxuto,
Que tem nos livrado da mão de Faraó, 
que tem aberto milagrosos caminhos onde saída não havia.

Obrigado Senhor, que unges o teu ungido e o adornas com pedras de sabedoria dos Céus 
a fim de guiar o Teu povo. Livra Israel do mau caminho, ó Pai.
  
Tem misericórdia de mim,
Tem misericórdia de nós, 
Ajuda-nos, Senhor.


Poesia Pastoral

No silêncio do meu canto
Ouço a voz do medo
Medo oculto em mantos

Inseguranças pressas no tempo
Levam-me por ocultos espaços
Fraco, rendo-me à espera

Nas voltas da vida
Revoltas perdidas
Lançadas pela criança

Ouvir o farfalhar dos Teus cantos
Ver as dores do rebanho

Vir a ser restaurador de sonhos

Ouvir, ver e vir a ser
Restaurar-a-dor
Cantos do rebanho sonhador

Declaro a falência de mim
Rendo-me à dependência
Suplico-Lhe por vida
E vitória
Sobre as dores na marcha

(Dedicado à Pra. Ana Isaura, minha querida Mãestora.)

Leia mais textos no blog do autor: http://judsonmalta.blogspot.com.br/


quarta-feira, maio 18, 2016

Certo Homem Tinha Dois Filhos - Novo e-book de J.T.Parreira


      Das diversas parábolas relatadas por Jesus, talvez nenhuma outra tenha tido tanta repercussão, e consequentemente sido alvo de mais representações artísticas quanto a Parábola do Filho Pródigo (Lc 15:11-32). E, em apoio à sua singularidade, note-se que, ao contrário de outras parábolas, esta aparece apenas no livro de Lucas. Sua mensagem, por ser perfeitamente evangélica, é de simples, universal compreensão; seu impacto é duradouro. Talvez porque diante de um Deus santo de quem nos afastamos e fomos afastados pelo pecado, sejamos todos pródigos a priori (e tantas e tantas vezes, a rematar nossa rebelião, a posteriori).
       É essa figura arquetípica do pródigo que é o Homem, inserida nesta parábola também arquetípica sobre o incomensurável e incondicional amor do Deus-Pai, que JTP elege para objeto de sua reflexão poética.
       Este pequeno e-book colige textos escritos em períodos diversos, mas que em comum trazem a marca da economia e extrema expressividade, tão características da poesia do autor.


Sammis Reachers

Para baixar pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar ou ler online pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga efetuar o download, solicite o envio por e-mail: sammisreachers@ig.com.br


Clique na imagem abaixo para ler online
Certo Homem Tinha Dois Filhos - J.T. Parreira

sábado, maio 14, 2016

Um poema de Jonatas Carlos


Destreza natural

Olhei para o alto
não vi nenhum Juiz
reparei no canto:
Selvageria em sua força motriz

A pura natureza?
Não se engane com a beleza
a guerra ali é dura
d'uma mais cruel amargura

Se não há lei transcendental,
o que nos sobra é o natural:
Luta, sangue (e) morte

No entanto, se já pensastes no mal
é por existir um alicerce moral
de amor, justiça e (por) morte.


domingo, maio 08, 2016

Você é autor cristão? Venha participar da festa de nosso blog!



BLOG POESIA EVANGÉLICA - 10 ANOS 

O blog Poesia Evangélica completa, neste ano de 2016, dez anos de atividade. Ao longo dessa jornada, foram centenas de autores publicados, diversos livros e e-books (individuais e antologias) gerados direta ou indiretamente, e o principal: construímos uma rede de irmãos e amigos cujo apreço pela poesia a faz continuar a pulsar.
Em comemoração aos 10 anos do blog, realizaremos um grande sorteio de livros. Para isso, viemos convidar aqueles que são autores cristãos (seja de prosa - ficcional ou não - ou poesia) a enviarem livros de sua autoria para o sorteio. Os livros enviados contarão com divulgação nas publicações relativas ao sorteio. Caso tenha interesse, escreva-me no e-mail: sammisreachers@ig.com.br 

terça-feira, maio 03, 2016

Dois poemas de Brissos Lino

Lorenzo Quinn, "Mão de Deus"

Homens

"Somos apenas pó e trevas"
Horácio

À superfície
deste corpo vegetamos
e escrevemos da nossa mágoa
litros de lágrimas de sangue
com penas leves de sombra

temas
sólidos que nos aprofundam
os olhos incolores

o sabor impuro
que nos desce à boca
é o rasto
do pensamento

mas somos reis a rasgar as vestes
se a Mensagem que acolhemos nos sitia
entre muralhas de silêncio

e os cardos do nosso orgulho
sufocam a boa semente
que nos lança Deus ao coração.


Desertos

Nenhuma manhã os habitava

os seus dedos nunca passavam
de sombras simples

só no fim se recordaram
que Tu existes
e então choraram
o devoto afastamento dos seus olhos.

Fonte: Arquivo Revista BARA (Portugal).

terça-feira, abril 26, 2016

Dois poemas de Manuel Moutinho


Tudo É Preciso

Só queres planície
Mas pensa bem
Montes e vales
O mundo tem

Ser compreendido
Dá gozo e prazer
Se Jesus não foi
Tu não esperes ser

Não é agradável
A humilhação
A rosa e o espinho
Bem juntos estão

São amargos os apertos
Custa muito sofrer
Para o vaso ser vaso
Vai ao forno cozer

Só pretendes sol
Mas as nuvens não
O dia e a noite
Precisos nos são

Tudo precisas na vida
De tudo tira lição
Mantém os olhos no Céu
Busca força na oração.


O Amigo das Confidências

Não contes tuas fraquezas
A todo o que julgas fiel
Por tal descuido já muitos
Provaram o gosto ao fel
Promete-te segredo esse amigo
Ele jura-te tudo guardar
Mas ele tem outro amigo
A quem vai tudo contar
E este… tem outro amigo
Que faz a nova correr
Veloz a falta que só Deus viu
Toda a grei fica a saber

Aprende e toma a lição
Evitarás vexame e dor
As fraquezas a contar

Devem ser só ao Senhor

Fonte: Revista BARA (Portugal).

quinta-feira, abril 21, 2016

Cristã secreta da Árabia Saudita escreve poema sobre seu encontro com Jesus

25_ArabiaSaudita_web



A situação dos cristãos na Arábia Saudita é bastante séria e o extremismo islâmico tem feito diversas vítimas ao longo dos anos. As restrições do governo sobre a liberdade religiosa, em geral, são muito elevadas e, por conta da forte influência do fundamentalismo islâmico, quem escolhe servir a Jesus deve fazê-lo em segredo. 
Diante de todo esse contexto, como uma cristã na Arábia Saudita enxerga Jesus? Leia a seguir.
Ele habitou no mais profundo do meu coração
Eu enxerguei sua luz de longe
por trás das montanhas
por trás do horizonte

Ele se levantou como a radiante luz de uma manhã cheia de alegria
Ele se levantou dentro da minha alma tão cheia de escuridão
minha alma perdida e confusa
minha alma que não conhecia o significado de “descanso”

No entanto, ele me visitou como a brisa suave
como a fragrância que emana das colinas
ele me visitou

Ele habitou no mais profundo do meu coração
e se estabeleceu lá dentro
Ele encheu minha alma com pureza, com vida

Ele é Jesus, gentil e compassivo
Jesus, a origem da minha alegria
Jesus, o refúgio da minha alma

Eu o adoro desde que o conheci,
e me apaixonei por ele
E como não poderia ser assim?
Pois ele me amou primeiro

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3.16
(Matéria publicada em 01/2015)

domingo, abril 10, 2016

Dois poemas de Heloísa Helena Zachello


                           Conjugados ao Verbo

João 1: 12 ao 14; João 3: 16.

“Eu”, com o verbo à distância,
sou um pronome, mais nada.
Porém, quando “O VERBO” me alcança.
Sou uma frase gerada.

“EU SOU” "me criou"!
“EU SOU” "me amou"!
“EU SOU” "me alcançou"!

E “NO NOME” que Exaltou
Acima de todos os nomes,
“EU SOU” então, me livrou
De ser um simples pronome.

Assim que, através disto,
Eu me encaixo com alegria
Na Frase dita por Cristo
Aos seus discípulos, um dia:

“Porque Deus ao mundo amou
de forma Sublime e Paterna
que Seu Filho enviou”,
pra “eu”ganhar vida Eterna,
e pra todos, que ouvindo Sua Voz,
deixem de pensar simples “eu”,
e passem a conjugar: “Nós"!


Do amanhecer ao por do sol

Salmo 113: 3

Louvado seja O Nome do SENHOR!

Pelo dia que amanhece;
Pela árvore que floresce;
Pela ave que livre voa,
Pelo canto que ela entoa,

Louvado seja O NOME DO SENHOR!

Pelo sol do meio dia
De calor e energia;
Pelo pão, que é diário,
Pela água e o vestuário,

Louvado seja O NOME DO SENHOR!

Pela noite a chegar
E a dormir nos convidar;
Pelo fato de se ter
Tanto Bem pra agradecer,

LOUVADO SEJA O NOME DO SENHOR!!!

Visite o blog da autora: http://heloraiz.blogspot.com.br/

domingo, abril 03, 2016

Um poema de Ricardo Mendes Rosa


I Soneto Pascal
Pastarão juntos um dia
O feroz leão e o gentil cordeiro,
E não será o Sol que nos alumia
A estrela mais brilhante do filamento inteiro.
Não verteremos mais choro
A tristeza será consumida pelo amor,
Veremos ruas como de diamante e ouro,
Findará o medo e o terror.
Celebramos o fim da dor
E a vida sempre eterna
De um Rei cujo Reino não é desta terra!
Celebramos o esmagar da morte,
Cristo ressuscitou!
Verdadeiramente, Ele ressuscitou!

sexta-feira, março 25, 2016

No dia da Sua morte, poema de J.T.Parreira


no dia da Sua morte
hoje os cordeiros sentiram calafrios
no leite materno, beberam
os trigos o orvalho do chão
inclinando as espigas
hoje o sol abrandou
o seu ímpeto de fogo
e cedeu
a angústia pesada das pedras
dos sepulcros
hoje neste dia desigual
todas as mães sentiram
estremecer o útero
porque na cruz
uns olhos bordados de doçura
sucumbiam.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...